BREVE HISTÓRICO DA 23ª BRIGADA DE INFANTARIA DE SELVA (MARABÁ - PARÁ)

A 23ª Brigada de Infantaria de Selva, "BRIGADA MARECHAL SOARES DE ANDRÉA", pioneira entre as Brigadas de Selva do Exército Brasileiro, foi criada em 9 de junho de 1976, pelo Decreto nº 77.804, com sede em Santarém – PA. Em 26 de novembro do mesmo ano sua sede foi transferida para Marabá – PA, onde se encontra atualmente. Sua implantação pelo Comando do Exército representa o fiel cumprimento da missão de realizar ação de presença na Amazônia, adestrando a tropa em ambiente operacional de selva, estimulando o desenvolvimento regional por meio de ações subsidiárias, atendendo à necessidade de promover a ocupação e o desenvolvimento ordenado da porção meridional do Estado do Pará, em harmonia com os interesses nacionais, e de garantir os poderes constituídos, bem como de manter a Soberania Nacional.

A defesa da Região Amazônica foi iniciada pelos nossos antepassados portugueses durante a “União Ibérica” (1580-1640). Preocupados com o interesse estrangeiro na exploração das “drogas do sertão”, criaram o “Estado do GRÃO-PARÁ e do MARANHÃO”, subordinado diretamente a Lisboa, a qual determinou a fortificação e a exploração da região. Em 1751 o Marquês de Pombal divide o Brasil nos “Estado do GRÃO-PARÁ e do MARANHÃO” e “Estado do Brasil”, com o objetivo de demarcar as fronteiras com rapidez e segurança, protegendo a região da cobiça estrangeira. Buscando maior controle, Pombal resolve dividir em 1772 o “Estado do GRÃO-PARÁ e do MARANHÃO” em outros dois, quais sejam: “Estado do GRÃO-PARÁ e RIO NEGRO” e “Estado do MARANHÃO e do PIAUÍ”.

A Abdicação de D. PEDRO I em 1831 abriu um período de lutas entre as províncias e o poder central, época que entrou para a nossa história como revoltas regenciais. Nesse contexto, em 1832, explode no “Estado do GRÃO-PARÁ e RIO NEGRO” a revolta conhecida como CABANAGEM. Além do descontentamento com o poder central, existia o desejo da comarca do RIO NEGRO de libertar-se da tutela de BELÉM. Em 1835, o Regente DIOGO FEIJÓ nomeou Presidente da Província e Comandante das Armas o futuro BARÃO de CAÇAPAVA, o Marechal FRANCISCO JOSÉ DE SOUZA SOARES DE ANDREA, que derrotou o líder Cabano ANGELIM estabelecendo a pacificação (1840). Em sua homenagem, a 23ª Brigada de Infantaria de Selva recebeu a denominação histórica, “BRIGADA MARECHAL SOARES DE ANDRÉA”.

O seu Pioneirismo revestiu-se, também, de extrema importância para a região, ficando conhecida como a “Brigada da Transamazônica”, pois em 1976 passou a enquadrar os Batalhões de Infantaria de Selva (BIS) localizados no eixo da transamazônica: 50° BIS – Imperatriz; 51° BIS – Altamira; 52° BIS – Marabá e 53° BIS – Itaituba, onde em seu entorno cresceram os núcleos populacionais, garantidores da presença da soberania do Estado Brasileiro. Nos dias de hoje, é a mais completa Grande Unidade de Infantaria de Selva.

Atualmente, a 23ª Brigada de Infantaria de Selva é uma das Grandes Unidades de combate subordinadas ao Comando Militar da Amazônia, sediado em Manaus, Amazonas.

NOTÍCIAS DA 23ª BRIGADA DE INFANTARIA DE SELVA



Comemoração Nacional da Arma de Infantaria ( 2009) e do Bicentenário de Nascimento do Brigadeiro Sampaio (2010)
Legião da Infantaria - Presidência Executiva - Fortaleza - Ceará - ©2008 - Todos os direitos reservados